Reunião do Mad Season (e Temple of the Dog!) com Chris Cornell e Orquestra de Seattle: Setlist e Fotos

madseasonreuniongroup-700x465

Depois de quase 20 anos, o Mad Season finalmente se reuniu novamente para tocar algumas músicas! Antes da tão esperado reunião, o Mike tocou 3 músicas de composição própria junto com a orquestra sinfônica de Seattle, em seguida, e em várias formações diferentes, foram tocadas músicas do Mad Season e Temple of the Dog! O site Alternative Nation fez um ótimo resumo das participações especiais em cada música tocada:

“A formação de base para o set do Mad Season foi: Mike McCready, Barrett Martin, Chris Cornell e Duff McKagan. Kim Virant, Matt Cameron, e Jeff Angell eram artistas convidados em determinadas músicas.Para o set do Temple of the Dog, Stone Gossard, Jeff Ament e Matt Cameron subiram ao palco para tocar com Chris Cornell e Mike McCready. O show terminou com o baterista do Alice In Chains, Sean Kinney, se juntando para tocar “All Alone”, que também contou com uma gravação da voz de Layne Staley.”

SETLIST FOTOS & VÍDEOS:

Mike McCready e a Orquestra Sinfônica de Seattle:
1. Ashes (Inspired By Kurt Cobain)
2. Beyond Much Difference (Inspired By Pearl Jam)
3. Walking the Horizon

Mad Season (orquestra tocou junto em algumas músicas):
4. Long Gone Day
5. River of Deceit
6. I Don’t Know Anything
7. Wake Up (com Matt Cameron e Kim Virant)
8. Lifeless Dead (com Jeff Angell)
9. Call Me A Dog (com Matt Cameron, Stone Gossard, e Jeff Ament)
10. Reach Down (com Matt Cameron, Stone Gossard e Jeff Ament)
11. All Alone (com Sean Kinney e a gravação da voz de Layne Staley)

FOTOS:

10429250_10205534327014926_6410856590103784953_n

 

10406903_10152634037863133_7430475167673105616_n 10556298_10152634039013133_8164148120664135765_n 10945561_10152634038503133_9144987297354827722_n

1653879_10204958622781279_1709857345265647451_n 10468631_10204958623621300_5423663927197894533_n madseasonperform1

10492027_10152949479213700_1370605634433809784_n

VÍDEOS:

Eddie Presente em Evento Beneficente

O Eddie esteve ontem no 50th Annual Hutch Award Luncheon, evento beneficente que arrecada fundos para pesquisa de doenças como o câncer. O evento aconteceu em Seattle e já arrecadou mais de 4 milhões de dólares na última década!

Crédito: Pearl Jam thanks for the music

1622731_1043032545723639_2626629968303604737_n 10423269_904430576257885_7875727059168762294_n 10959440_904430249591251_1467559774171231818_n

Opinião: Por que o Pearl Jam não lança mais tantos discos de estúdio?

pearljam010911b

Uma das coisas que muitas pessoas comentam e nos questionam é que o Pearl Jam perdeu sua vitalidade artística ou os membros perderam o interesse em continuar com a banda. Todos que acabam assitindo entrevistas ou lendo reportagens percebem que o interesse de cada um pela banda continua o mesmo e, se duvidar, é ainda maior, tendo em vista as turnês e os grandiosos shows que têm acontecido. Porém, isso não se reflete no lançamento de discos de estúdio pela banda. Em 12 anos, de 1990 até 2002, 7 discos de estúdio e que exigiram composições e gravações foram lançados (Ten, Vs., Vitalogy, No Code, Yield, Binaural e Riot Act). Sem contar o Mirror Ball com o Neil Young em 1995. No mesmo período de 12 anos, entre 2003 e 2015 tivemos apenas 3: Abacate, Backspacer e Lightning Bolt. Muitos podem afirmar que isso se deve aos projetos paralelos dos membros da banda. Mas contra esse argumento vem o fato de que na década de 90 além de ter excursionado e produzido um álbum com o Neil alguns integrantes da banda já tinham projetos paralelos, como é o caso do Mike com o Mad Season, o Stone com o Brad e sua carreira solo lançando o Bayleaf, e o Matt Cameron com o Wellwater Conspiracy e o Jeff com o Three Fish. Outro argumento para a baixa produtividade da banda em estúdio na última década é o fato de que a paternidade os atingiu. Muitos já deixaram isso claro como suas prioridades em entrevistas recentes, inclusive dizendo que influencia na suas composições.

Porém, um dos fatos mais marcantes que, em minha opinião, tem influenciado na falta de lançamentos do Pearl Jam é a falta de um contrato com uma gravadora e um selo. Entre o Ten e o Riot Act a banda tinha um contrato com a Epic. Contratos com gravadoras normalmente são em termos de produtividade. Por exemplo: No período de 10 anos, X álbuns devem ser lançados e dentre eles deve ter uma coletânea e um disco ao vivo (só como exemplo). Os últimos compromissos do Pearl Jam com a Epic foram o Riot Act de estúdio, o Lost Dogs e o Rearviewmirror. Sem a pressão para lançar um disco novo, o que era comum a cada, no máximo, 2 anos durante toda a década de 90, fez a banda levar 3 anos e meio para lançar o Abacate, em Maio de 2006, após ter feito um acordo com a J Records para produção de um único disco. Na época, a banda chegou a comentar sobre como essa falta de pressão aliviava o trabalho deles, deixando-os mais livres. Inclusive, pode ter sido um motivo para o disco não ter um nome além do nome da banda e ter em sua capa um Abacate.

Em 2009, a banda lançou o Backspacer com o selo da Monkeywrench, criado pela própria banda, tendo feito acordos comerciais somente para a distribuição do material com as lojas Target e a Universal, por exemplo. Em 2013, com o Lightning Bolt, o mesmo aconteceu, sendo agora a Monkeywrench um selo e uma gravadora muito mais forte do que anteriormente.

Diante desses fatores, podemos conceber que não foi a criatividade da banda que estagnou. Tomando por base as composições desde o abacate tivemos Come Back, Inside Job e Marker in The Sand, que são canções belíssimas, ao mesmo tempo que foram compostas canções críticas e pesadas no Lightning Bolt como Mind Your Manners, My Fathers Son e Infallible. Isso sem contar o Backspacer que teve Force of Nature, Got Some e Unthought Known. Talvez o problema em avaliarmos essas canções e suas letras de maneira positiva seja, como muitos devem concordar, o grande espaçamento temporal entre os lançamentos, como foi o caso entre o Backspacer e o Lightning Bolt, o que dá margens para um disco não ter uma comparação direta com um sucessor. Desta forma, uma certa continuidade natural acaba sendo quebrada por uma grande mudança de um disco para o outro, justamente por ser dificil acompanhar a evolução da banda devido à esta lacuna. Entretanto, é bom que lembremos também que ao longo da década de 90 o Pearl Jam não só lançou obras-primas como deixou coisas boas de lado. Só entre o Ten e Vs. teríamos um disco tão bom quanto os dois, com Breath, Footsteps, Alone, Hold On, Hard to Imagine, Wash. O mesmo acontece de 2006 pra cá, com Of the Earth, Let it Ride, Cold Confession e outras músicas que ainda nem conhecemos e que foram deixadas de lado do Abacate, Backspacer e Lightning Bolt.

Então, em nosso caso, devemos é contar com a sorte. Tendo em vista a freada no ritmo da banda, precisamos ter sorte em algumas boas pessoas que tem acesso aos b-sides compartilharem conosco. Só assim podemos perceber o quanto essa banda ainda tem a oferecer e que talvez nunca fiquemos sabendo.

Pearl Jam no Maracanã em Novembro de 2015!!!

Maracana_internal_view_april_2013

De acordo com o jornalista Lauro Jardim, do Radar Online, está confirmado um show do Pearl Jam no Maracanã, o templo do futebol, no Rio de Janeiro em Novembro de 2015! Confira a reportagem clicando aqui. Atualmente, a capacidade do estádio é de aproximadamente 80 mil pessoas. Lembrando que em 2011 a banda tocou no Morumbi para 65 mil pessoas. Por outro lado, o jornalista José Norberto Flesch, que deu o primeiro furo da vinda da banda para o Brasil em outubro de 2014 não confirma com certeza a informação de um show no Maracanã, mas confirmou um show no Rio. Lembrando que nada é oficial até que seja divulgado pela banda em seu site.

______________________

ENGLISH:

According to the journalist Lauro Jardim, from Radar Online, it is confirmed that Pearl Jam will make a concert at ‘Maracana’, the temple of football, in Rio de Janeiro next November! Check out the story here. Currently, the stadium capacity is approximately 80,000 people. Recalling that in 2011 the band played at Morumbi (in Sao Paulo) to 65 thousand people. On the other hand, the journalist José Norberto Flesch, who gave the scoop of the band coming to Brazil in October 2014 does not confirm with certainty the information from a show at the Maracana, but confirmed a show in Rio. Remember that nothing is official until it is released by the band on their website.

Mais Fotos do Ensaio da Reunião do Mad Season

Foram divulgadas mais fotos do ensaio que o Mad Season fez; lembrando que o grupo terá Chris Cornell nos vocais! A Apresentação será feita junto com a orquestra de Seattle no dia 30 de Janeiro.

***Lembrando que três nomes, ainda não divulgados, irão participar do evento também!!!

1604603_10152621263578133_7310544112525065711_n 10427303_10152621263573133_174253284268235795_n 10952065_10152621263663133_8611078966388477735_n

Créditos: Pearl Jam Online, Sackville-West e Barrett Martin.

Mike, Jeff, Matt e Chris Cornell em Relançamento de Álbum Tributo a Jimi Hendrix

Captura de Tela 2015-01-23 às 20.34.05

E o grande Jimi Hendrix vive! O álbum “Stone Free”, do lendário guitarrista, será relançado em uma belíssima versão em vinil!!

Lembrando que o Mike, Jeff e Matt participam de uma das faixas! Os três se juntaram na época ao Chris Cornell e, sob o nome de M.A.C.C, gravaram a música “Hey Baby (Land Of the New Rising Sun)” (vídeo abaixo). Artistas como Eric Clapton, Buddy Guy e The Cure também participaram do disco.

O álbum será vendido a partir do dia 9 de fevereiro!

Mais informações nesse link aqui.

Ps. Obrigado Demetrius pelo update!

Pearl Jam Diz Não para Grande Festival em 2015

pearljam_01

De acordo com os produtores do Governors Ball Music Festival, evento que ocorre todos os anos nos Estados Unidos, o Pearl Jam foi um dos grupos que não aceitou o convite para participar da edição desse ano. Os produtores disseram que a banda não poderia se apresentar em Junho, mês em que ocorre o festival, por problemas de calendário.

Fonte: Alternative Nation