Análise: Bugs

bugs

Fazer uma análise de uma música estranha pode ser, enfim, uma coisa estranha, mas acredito que “Bugs” é uma música muito interessante e infelizmente pouco valorizada devido a esse estranhamento que as pessoas tem quando ouvem ela.

Antes de tudo, a sanfona, que predomina ao longo de toda a música. Para uma letra como essa, satírica, irônica e ácida, não combinaria colocar solos de guitarra, um refrão tocante, etc. A sanfona dá um ar cômico e, ao mesmo tempo, acrescenta uma certa tensão à letra; o som que ela produz parece ser o de uma respiração desconfortável, que precisa achar mais ar, mas esse ar não vem, e à medida que a música vai caminhando para o final essa respiração parece desesperada e, juntamente com a letra, irresolvível, sem um final positivo, como a letra irá mostrar nos últimos versos. Nesse sentido, a sanfona pareia perfeitamente com o que o Eddie “fala”, ao invés de cantar.

 Com relação à letra, acho genial que essa espécie de discurso/questionamentos que o Eddie faz cabe para qualquer coisa que você quiser aplicar. Esses “bugs” (insetos) estão invadindo as nossas vidas, entrando nas nossas casas, decidindo nosso destino. Para mim, a interpretação mais interessante e que, se não me engano (e desculpe de todo coração se às vezes eu me confundo) o Eddie diz que a letra é para os políticos. Mas, como todos sabem, o Eddie sempre varia a interpretação que coloca nas suas letras, deixando sempre dúbio o que ele quer dizer. Por isso, vamos fazer a mesma coisa; quem são esses insetos que simplesmente entram sem pedir licença e ferram com as nossas vidas? Vocês escolhem, vocês decidem. E essa é a beleza de “Bugs”. Com ela você pode aplicar qualquer contexto, situação, pessoa ou pessoas e definir como algo inconveniente e indesejável. Políticos? Hipócritas? Pessoas que promovem a violência, o preconceito? Você escolhe, e prontamente a música vai se encaixar com a sua decisão. Afinal, todos nós temos as chatices do dia-a-dia para lidar, e junto com isso existem sempre os “bugs” que a gente quer ver longe.

 A voz do Eddie nela é ótima. Carregada de ironia, ela vai crescendo na sua “revolta” e, ao mesmo tempo, tenta achar soluções:

Do I kill them?

Become their friend?

Do I eat them?

Raw or well done?

Do I trick them?

I don’t think they’re that dumb

Do I join them?

 

Mas, mesmo com essas tentativas de erradicar esse mal que nos atormenta, esses insetos vão tomando todo o espaço e acabam dominando tudo, decidindo no destino:

See they surround me, I see…

See them deciding my fate

(…)

Now it’s too late…

O final da letra parece ser de resignação, afinal, o Eddie parece cansar dessa luta:

Now it’s too late

I got bugs in my room…one on one

That’s when I had a chance

I’ll just stop now

I’ll become naked

And with them… I’ll become one.

“Ficarei nu e, junto com eles, eu serei um.”

Não está muito claro para mim, mas esse final parece ainda mais irônico um vez que há essa ideia absurda de se unir a esses insetos, e acredito que essa “solução” seja uma forma de dizer: “ok, se não posso vencê-los, me unirei a eles, e assim seremos todos iguais.”, dando uma ideia de fracasso nessa tentativa de eliminar esse mal.

 Bugs, como disse no início, é uma música estranha (assim como essa análise), mas quis escrever algo sobre ela por ser uma música fora do “mainstream” de músicas do Pearl Jam, tocada apenas 3 vezes em shows, mas que diz muita coisa em toda a sua (aparente) simplicidade.

 

Anúncios

3 thoughts on “Análise: Bugs”

  1. Muito boa a análise. “Bugs” ajuda a dar todo o clima unico do Viralogy. Ela me transmite um pouco de solidão. Sempre imagino Eddie tomando umas, sentado num canto fazendo um improviso na sanfona. Muito doido. Eu sempre tive medo de ouvir a ultima faixa, cara, parecia a boneca do Exorcista falando tronxeira e uma base de catimbó por tras. Mais doido ainda. Adoro esse álbum.

  2. Muito massa, como sempre!

    Essas músicas que o Pearl Jam faz tipo Bugs, Pry To, Aye Davanita, Stupid Mop, Red Dot, Push Me Pull Me, Arc, Master/Slave, I’m Open, são muito massa de escutar também! Se os caras lançassem um álbum só com músicas desse tipo, eu (a minha opinião e respeito a posição de qualquer pessoa) iria achar muito lôco…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s