Pearl Jam to Fly Entrevista: João Mario

screen-shot-2016-10-26-at-18-17-56

Hoje recebemos o João Mario, um catarinense de Lages que é baterista de uma banda cover do Pearl Jam, a Red Mosquito. Hoje vamos falar um pouco sobre os bateristas do Pearl Jam, e o João vai nos dar sua visão técnica de cada um deles!

 Olá João, muito obrigado por nos receber! Primeiramente quero saber há quantos anos toca bateria, e também há quanto tempo você ensaia músicas do Pearl Jam.

Olá! Eu que agradeço ao PJ2FLY pela lembrança! Então, comecei a tocar bateria há uns 12 anos e iniciei com o bom e velho Ramones. Em 2006 me reuni com uns amigos e começamos a mandar um Nirvana, Silverchair e, claro, Pearl Jam com a banda “Irritantes”. Entre hiatos e voltas continuamos e, no final de 2012, fui marcado em uma publicação no Facebook procurando um baterista para uma banda cover de Pearl Jam. Nesse momento foi plantada a semente da Red Mosquito, que se estabilizou e começou a ensaiar e fazer shows em 2013.

Em todo esse tempo, você tem noção de quantas músicas você sabe tocar no total do Pearl Jam?

É difícil mensurar quantas, mas olhando a discografia do Pearl Jam acredito que sei tocar por volta de 60 músicas.

Dentre os bateristas que o Pearl Jam já teve, qual aquele que você mais se identificou?

Sou bastante dividido entre as fases do Dave Abbruzzese e do Jack Irons. Curto muito o período mais pesado do Vs e do Vitalogy, as linhas de batera do Dave nestes discos são demais! Mas o Jack no No Code e Yield fez coisas inacreditáveis, cada vez que escuto as músicas percebo um detalhe diferente que não havia ouvido antes!

 screen-shot-2016-10-26-at-18-18-19

Gostaríamos que você fizesse uma análise técnica dentre os bateristas do Pearl Jam que você conhece, e nos desse a sua opinião sobre qual realmente foi o melhor baterista que o Pearl Jam já teve.

Em termos de técnica acredito que todos eles se equivalem, cada um à sua maneira! O Dave Krusen foi lendário nas músicas do Ten. O Abbruzzese, além de melhorar a performance nas músicas do primeiro disco, compôs linhas funkeadas e pesadas incríveis no Vs. e no Vitalogy. O Jack Irons, em minha opinião, não tocava muito bem as músicas anteriores, mas em compensação as músicas que ele gravou no No Code e no Yield são até difíceis de explicar. Como disse antes, a cada audição se percebe um detalhe diferente, algo que não tinha ouvido antes! Já o Matt Cameron, acho que o estilo dele se encaixa mais no Soundgarden do que no Pearl Jam. Mesmo assim, curto demais as músicas que ele gravou. Além disso, o Matt compõe (vide You Are, petardo de autoria dele) e canta muito bem. Acho que o que pega em relação a ele e que gera uma grande reclamação por parte dos fãs é a maneira como ele toca as músicas mais antigas da banda. Ele não faz as levadas funkeadas do Abbruzzese e as tribais do Jack, tocando de um jeito “atropelado”. É fácil de perceber isso ouvindo a versão dele para Given to Fly e comparando com a versão do Jack, por exemplo. Ele faz essa música da maneira mais simples possível, quando a original é de uma riqueza sem tamanho! Enfim, acredito que seja esse o grande dilema dos bateristas da banda, embora acredite também que tem um pouco de egoísmo e saudosismo por parte de nós, fãs, ao querer no presente o que a banda e os integrantes foram lá no passado!

Muito boa análise João. Você participando de bandas sabe o quanto o relacionamento entre cada integrante é parte essencial da sobrevivência do grupo. Em sua opinião, o Matt estaria tanto tempo já no Pearl Jam por ser um cara mais fácil de lidar do que os anteriores?

Com certeza! Acho que esse é o motivo pra ele durar tanto tempo no ‘cargo’, além de todo o desgaste que uma mudança de integrante traz à banda. Fora o Jack que saiu devido a problemas de saúde, sabemos que os demais tinham problemas de conflito de personalidade ou de uso de bebidas e drogas… São detalhes que dificultam bastante à existência e união de uma banda, e me parece que o Matt é bem tranquilo nesse ponto.

Vejo muitos fãs dizendo que sentem falta dos pratos do Dave. Esse preenchimento de espaços dentro da música que o Dave fazia com os pratos dava um efeito diferente na música do Pearl Jam. Você consegue me explicar que técnica era essa de Dave Abbruzesse?

Sim, essa é uma das características do Dave Abbruzzese. O estilo dele é mais pro lado do funk e fusion rock… Ele costumava preencher os intervalos das batidas com detalhes no chimbal, splashes e pratos de ataque, etc. Na minha opinião são esses os detalhes que fazem falta quando o Matt toca!


Para finalizar, na tua opinião, qual o é o disco do Pearl Jam que tem a bateria mais difícil de executar?

Pergunta complicada hein! Em honra ao Dave Abbruzzese e ao Jack Irons, considero o Vs. e o Yield os que têm as linhas de batera mais difíceis de reproduzir!

Anúncios

8 thoughts on “Pearl Jam to Fly Entrevista: João Mario”

  1. O que posso dizer de um baterista que diz que Matt Cameron faz coisas simples e aquele mesmo papo dele ser melhor no Soundgarden, por isso no Brasil não temos musicos de verdade. Lamentavel

    1. Matt é quase unanimidade no fim da lista dos bateristas do PJ. Eu acho que o entrevistado foi até gentil com ele. Ele é um dos bateristas mais medíocres do rock, e se, no início da banda, as linhas de bateria tivessem sido feitas por ele, com certeza o PJ seria uma banda ‘muito menos boa’. Ele é pobre em dinâmica, em originalidade e muito mais. Basta ver como o banda perdeu boa parte da polirritmia (eu acho que o que existe no Binaural já estava pronto quando ele chegou). Com certeza você não é músico ou percursionista. Só para terminar, até concordo que o Brasil não produz lá grandes coisas, mas qualquer batedor de tambor é melhor do que ele.

  2. Se não fosse o Matt a banda ja teria terminado ha um bom tempo. O Eddie acho q falou isso .
    Então, da pra dar um desconto e deixar as comparações saudosistas de lado.Passou, ja foi .
    E a importância de um integrante não é medida só pelo desempenho tecnico no palco.

  3. matt cameron fraco pra tocar VS, No code, claro que ele tocando SAD ele e foda nela , mas PJ com ele na bateria perdeu muita força, so obs os albuns. jack um bom baterista fez magica em yield , em fim todos que curte PJ sabe q ouve uma filosofia forte por causa de DAVE mike e stone queria ele , ja ed e jeff nao , gente vamos ser sincero DAVE um mega Baterista

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s