Série Shows Históricos: O dia em que Neil Young salvou o Pearl Jam

Screen Shot 2017-02-20 at 14.36.09.png

O ano era 1995, o Pearl Jam seguia com a turnê do disco “Vitalogy” e o próximo show era em San Francisco CA, no dia 24/06/1995.

O Pearl Jam iniciou o setlist com “Last Exit”, mas algo visivelmente não estava bem. Eddie errava o tempo da música com grande frequência e não soltava as notas mais agudas como naturalmente fazia. Eddie tinha um problema.

Spin the black circle foi a segunda música (assim como no disco ‘Vitalogy’) então o que todos da plateia já suspeitavam tornou-se visível durante a música. Uma sofrível sequência de Go, Animal, Tremor Christ, Corduroy e Not for You foi executada com um Eddie terrivelmente debilitado até que ao final de Not for You ele largou sua guitarra e foi ao microfone dizer que não estava bem. Era algo em seu estômago que estava o derrubando, Eddie disse que “as últimas 24 horas foram as piores de minha vida”, se referindo ao seu estado de saúde. A plateia não recebeu bem a notícia, com vaias e murmúrios sobre Eddie usar drogas (o que deixou Jeff meio puto).

“Por sorte aqui no backstage está o Neil Young, e ele vai tocar algumas músicas pra vocês”.
Então surgiu Neil Young com sua lendária e inseparável guitarra Old Black. Uma pequena reunião no palco para definir o Set e pronto, os primeiros acordes de “Big Green Country” estavam sendo tocados, para uma plateia extremamente dividida entre vaias e aplausos.

“Eu estava na cidade, esperava aparecer no show e tocar uma ou duas músicas. Jamais pensei em tocar o show inteiro no lugar de Eddie.” (Neil Young, Livro Pearl Jam Twenty)

O show aconteceu entre erros e acertos, entre músicas do disco Mirrorball (gravado em parceria com o Pearl Jam) e músicas que jamais haviam sido tocadas por eles com Neil.

“Pra você ver o tamanho da gravidade daquilo que estava acontecendo, tivemos que tocar Rockin in the Free World mais de uma vez pra uma plateia de 50 mil pessoas!” (Jack Irons, Livro Pearl Jam Twenty)

“Aquele era para ter sido um dia glorioso. Mas assim que percebi o Eddie dizer que teria que sair do show eu pensei que estava acabado, pensei que tudo poderia virar algo como o concerto do Guns ‘n’ Roses em Donington onde a plateia destruiu tudo que encontrou pela frente. Mas aí como um milagre Neil Young veio e nos salvou. Eu nem sabia que o Neil estava com o Eddie antes do show. Ele já estava cuidando do Eddie antes mesmo de subirmos no palco. Neil mais uma vez salvou nossa banda.” (Kelly Curtis, Manager do Pearl Jam na época)

No encore Jeff veio ao microfone e avisou que Eddie não conseguiria voltar. Entre vaias e aplausos Neil Young empunhou seu violão olhou para Jeff e disse:

“Vamos cansar eles.”

Um acorde de The Needle And Damage Done solo de Neil e a vaia anterior se tornou um grande grito de alegria por parte da plateia. Aos poucos Neil virava o jogo.

Screen Shot 2017-02-20 at 14.36.25.png

O show seguiu até seu final, com Neil Young ‘ganhando’ o resto da plateia que estava vaiando ele no início. Neil se mostrou um artista extremamente carismático para um público que não era seu, era mais jovem e estava ali para ver o Bad Religion (banda de abertura) e principalmente o Pearl Jam.

Red Mosquito foi escrita sobre os eventos desse dia memorável. Em 2006 no show realizado também em San Francisco Eddie comentou antes de tocar essa música;

“Essa próxima música tem uma conexão com São Francisco porque foi escrita em um quarto de hotel aqui no meio de eu ter um dia realmente, realmente mau.”

Eddie escreveu Red Mosquito enquanto estava no Hospital de San Francisco pensando sobre o que havia acontecido horas antes no show que ficou conhecido como “O dia em que Neil Young salvou o Pearl Jam”.

Neil Young anos mais tarde disse que aquele foi um show especial para ele. Ele jamais havia enfrentado um público hostil e uma situação daquelas.

“Foi uma grande experiência, entrar vaiado e sair aplaudido. Mas ainda acho que teria sido legal ter levado Eddie numa maca e colocado o microfone do lado da cama para ele cantar enquanto a banda tocava. Teria sido uma bela obra de arte.”

06/24/95 – Golden Gate Park: Polo Fields: San Francisco, CA [140m]

attendance: 53,440

support acts: Crash and Brittany and Bad Religion

set: Last Exit, Spin the Black Circle, Go, Animal, Tremor Christ, Corduroy, Not for You

“NeilJam” set: Big Green Country, Act of Love, Throw Your Hatred Down, Powderfinger, Truth Be Known, Rockin’ in the Free World, The Needle and the Damage Done, Hey Hey My My, I’m the Ocean, Down By the River, Downtown, Cortez the Killer

enc: Peace and Love, Rockin’ in the Free World

__________________________

SHOW COMPLETO:

Anúncios

Um comentário em “Série Shows Históricos: O dia em que Neil Young salvou o Pearl Jam”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s