Sad é o Maior Erro da Carreira do Pearl Jam

sasdadasd

Sim, o título era para ser impactante mesmo. Impactante assim como o Riff inicial de Sad, um poderoso Riff em Ré, cheio de raiva, energia, mas que inicia tímido e vai crescendo a cada instrumento que vai se apresentando para acompanha-lo. Riff que norteia a direção de Sad durante os seus incríveis três minutos e meio, e mesmo quando a musicalidade evolui e sobe o tom, tornando a música ainda maior, O Riff de Sad pode ser encaixado perfeitamente, pois a música toda está o rodeando, deixando ele marcante, definitivo.

Sad é o maior erro da carreira do Pearl Jam. Na verdade, deixa-lo de fora do Binaural foi o grande erro. Sad teria plena condição de ser a maior música desse disco, eu não tenho dúvida. Acho que esse ‘potencial’ de Sad fez com que na hora da escolha das músicas fizesse a diferença para que ele ficasse de fora e eu vou explicar a razão para esse pensamento…
Para complementar o final do parágrafo anterior temos que voltar a 1992 e a batalha travada pela banda com a gravadora Epic Records em função de Black; A gravadora queria que a banda lançasse um clipe de Black, pois entendia que esse seria o maior Hit do álbum Ten. Eddie Vedder, assustado com o barulho que Jeremy havia causado se reuniu com os demais e em comum acordo resolveram ‘preservar’ Black. Em termos mais simples, a banda não queria ouvir Black tocando o tempo todo no rádio e na MTV, com medo de estragar a música pelo seu excesso de reprodução. Foi uma batalha ferrenha, mas a história mostra que a banda estava certa, e Black se mantém (apesar de ser uma das mais tocadas nos shows) como uma música ainda muito querida por parte de todos os fãs (ao contrário de Last Kiss, que é alvo de críticas de boa parte dos fãs, muito em função do seu excessivo desgaste através do rádio).

Só me vem à cabeça esse motivo para uma música do calibre de Sad ficar de fora, enquanto outras como “Evacuation” estão dentro do disco…

Mas gostos ou opiniões à parte, Sad em sua essência é uma música que consegue nos transmitir alguns sentimentos durante sua jornada. Você inicia com solidão, segue para isolação e depois vazio (com uma pitada de saudade). A letra extremamente bem colocada em cada estrofe, é uma das mais belas em termos poéticos. Quando você analisa a performance vocal junto da letra, entende os sentimentos que Vedder quis passar e essa música consegue te capturar para junto do personagem, o vazio e a solidão que antes eram apenas a lamentação do protagonista, agora passam a ser compartilhados por quem resolve escutar/analisar a proposta de Sad, e isso é fenomenal para o impacto que Sad pode causar em cada um. Talvez esse fora o ‘pulo do gato’ de manter Sad fora do Binaural… Talvez…

A partir do momento em que Sad te captura para dentro da trama, você passa a entender porque a palavra Sad (triste) é tão enfatizada no refrão; Durante a jornada musical, o protagonista exclama solidão, isolação, vazio, saudade… E tudo isso para chegar ao maior dos sentimentos apresentados na música, a tristeza. A tristeza aqui é colocada como a junção de outros sentimentos juntamente com a desistência do protagonista em tentar seguir em frente. Sim, Sad é uma canção sobre um rompimento de relacionamento.
“Ele só poderia amar você, é triste.”

Mais à frente, depois de algumas viradas propositais depois do refrão, o protagonista relembra o momento da eventual despedida, ainda exclamando que era algo que ele não queria, e novamente a música vai para o refrão para relembrar que os sentimentos do protagonista ainda são os mesmos. Mesmo que em sua penúltima estrofe o protagonista demonstre que a vida tem que continuar, ele ainda sim ratifica seu grande sentimento numa última repetição do refrão; a tristeza.

Sad é o maior erro da carreira do Pearl Jam por ficar de fora do Binaural. Com certeza um disco obscuro como esse merecia uma música que transparece tantos sentimentos como Sad. A banda poderia preservar Sad de outras formas, mas ainda sim inclui-la no disco. Sorte nossa que poucos anos mais tarde o Pearl Jam lançou o Lost Dogs, e nela a incrível Sad. Apesar de ser uma música que não entrou no disco, Sad já apareceu 56 vezes em shows do Pearl Jam. Só fica atrás de Yellow Ledbetter, Footsteps e Breath (todos do início dos anos 90) como B-Sides mais tocados em shows.

Na minha opinião, foi uma triste decisão da banda (com o perdão do trocadilho que eu evitei até o final). Mas essa é a minha opinião, deixe abaixo a sua opinião sobre Sad!

Abaixo o link para conferir a tradução de Sad!
(https://www.letras.mus.br/pearl-jam/96245/traducao.html)

Anúncios

6 comentários em “Sad é o Maior Erro da Carreira do Pearl Jam”

  1. Com excessão de citar “Evacuation” como algo inexplicável pra entrar no disco, concordo com tudo. Evacuation é simbólica demais pra época por ser a afirmação de Cameron como membro da banda (a música é dele). Foi uma forma de dar moral ao novo integrante.
    Mas voltando a “Sad”…é um musicão. Empolgante, bem interpretada, energizante (apesar de “triste”). Queria que o Bredan O’Brien tivesse produzido-a, ficaria melhor ainda. No Binaural a banda ligou o foda-se. A escolha de “Nothing as it’s seems” como single, apesar da não concordância da gravadora, já mostra isso. Esse tb pode ter sido um dos motivos de não lança-la no disco. Contrariar!!
    A discussão é muito boa e a música tb. Abraços, Jamers!!

  2. Sim, tirando a citação sobre a canção “Evacuation”, também concordo 100% com a resenha.

    Me lembro alguns dias antes do show do Pearl Jam em Curitiba no ano de 2005 (1ª vinda deles ao Brasil), comentando com os meus amigos quais as músicas que com certeza eles não iriam tocar no show, mas que nós gostaríamos de escutar – sendo que uma delas era “Sad”. Quando eles tocaram ela lá na Pedreira, a gente pirou, cara… Foi literalmente surreal estar escutando essa canção ao vivo, na nossa frente.

    Também sempre achei surfezera essa música, tipo, dá para imaginar na boa um clipe de surf com ela ao fundo – mesmo a letra não tendo nada a ver com surf.

    E quando a escutei pela 1ª vez quando lançaram o “Lost Dogs”, o que ficou fotografado na minha mente foi o riff inicial e os efeitos do pedal delay na guitarra do Mike. Até hoje, quando a escuto ao vivo, fico só esperando os delays aparecerem…

  3. Realmente Sad é uma grande música, as versões ao vivo dessa canção são vibrantes e tristes ao mesmo tempo, mistura de vontade de pular e ficar parado olhando pro nada, lembrando do fim traumático de algo bom, mas que gostaríamos que continuasse.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s